Amazônia está longe de cumprir Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, mostra relatório

Com 34 milhões de habitantes em nove países, a Amazônia tem indicadores sociais ainda distantes dos Objetivos do Desenvolvimento do Milênio (ODM). A avaliação considera indicadores de nove países que compartilham a floresta: o Brasil, a Bolívia, Colômbia, o Equador, Peru, a Venezuela, o Suriname, a Guiana e a Guiana Francesa e está no relatório A Amazônia e os Objetivos do Desenvolvimento do Milênio.

A pesquisa foi organizada pela Articulação Regional Amazônica (ARA) e divulgada durante o encontro Cenários e Perspectivas da Pan-Amazônia, organizado pelo Fórum Amazônia Sustentável.

Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio propõem metas para melhorar indicadores de pobreza, educação, saúde, desigualdade de gênero, mortalidade infantil e materna e de meio ambiente. Estabelecidos pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2000, os ODM têm metas a serem cumpridas até 2015.

Desde a década de 1990, a Amazônia registrou melhoria na maioria dos indicadores, mas os avanços não foram significativos e ainda deixam os índices regionais abaixo das médias nacionais. Dos oito objetivos estabelecidos até 2015, apenas um já foi alcançado na parte amazônica de todos países analisados no estudo: a eliminação da desigualdade de escolaridade entre homens e mulheres.

“Faltam poucos anos para o prazo estabelecido pela ONU para o cumprimento das Metas do Milênio e ainda há muito trabalho para que sejam cumpridas na Amazônia. Há muita diferença de resultados entre os países que compõem a Amazônia, assim como variações internas”, diz o relatório.

Com Produto Interno Bruto (PIB) de US$ 330 bilhões, a região abriga desigualdades e desafios que dificultam a superação da pobreza, uma das principais metas da ONU. De acordo com o estudo, cerca da metade da população que vive na região amazônica desses países encontra-se abaixo da linha de pobreza, com situação crítica no Equador e na Bolívia.

“A Amazônia é sempre a parte mais pobre de cada país porque é uma região que tem padrão de desenvolvimento baseado ainda na extração de recursos naturais, com grande impacto ambiental associado. E os modelos de agregação de valor em uma economia mais intensiva são ainda incipientes. Se desmata e continua pobre, a solução não é desmatar para gerar riqueza”, avaliou o coordenador nacional da pesquisa, Adalberto Veríssimo, do Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia (Imazon).

O Brasil é citado como o único país da região que já cumpriu a meta de reduzir pela metade a proporção da população que sofre de fome. O país tem, por exemplo, taxa de desnutrição infantil de 4%, bem abaixo da média dos países latino-americanos (10%). O Peru e a Bolívia ainda registram taxas altas, com mais de 20% de crianças desnutridas.

Leia mais sobre isso na  Agência Brasil
About these ads

Uma resposta to “Amazônia está longe de cumprir Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, mostra relatório”

  1. Orange Matos Feitosa Says:

    Será que esses orgãos oficiais não cansam de coletar dados oficiais e publicá-los???. Quem disse que a desigualdade de escolaridade entre homes e mulheres já foi eliminado na Amazônia, está completamente equivocado!!!!!! Sou professora e sei o que estou dizendo!Este é apenas mais um relatório para prestar contas aos fomentadores!
    A única idéia inteligente deste texto é a avaliação do coordenador do Imazon de que desmatar não gerará riqueza!!! Mas, essa dado não é novo e sabe-se disso há mais de duzentos anos quando os colonizadores começaram a desvatar a floresta para enriquecer seu país de origem e empobrecer o Brasil e desgastar os solos!!!
    O problema da Amazônia brasileira está no desinteresse das elites políticas locais e nacionais em executar projetos pequenos e eficazes para gerar emprego para população local, que não são os responsaveis pelo desmatamento da floresta e/ou pela extinção do peixe-boi, por exemplo. As exportações de couro desses peixes e outros animais silvestres ocorre na Amazônia desde o século XVIII. Além disso, penalizar as madereiras estrangeiras e locais, impedir a proliferação de pastos, porque o agronegocio é um dos maiores desastres para região, sem falar dos garimpos que poluem os rios!!! E é preciso também parar de fingir que o Sivam está com tudo sob controle. Seria o início de uma mudança efetiva para população local e para natureza!
    E quem sabe? Os objetivos do Milênio!!!


Deixe uma resposta - Lembramos que não serão permitidos comentários com conteúdo ofensivo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 7.779 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: