Aquecimento Global: Iêmen está se tornando a primeira nação a ficar sem água

O Iêmen parece ser o primeiro país no mundo a sofrer total excassez de água por culpa do aquecimento global e extrativismo, gerando possibilidades de conflitos e movimento de massa de populações que podem se espalhar por todo o mundo, se o crescimento da população ultrapassar os recursos naturais.

Governo e especialistas concordam que a capital, Sanaa, tem cerca de dez anos no ritmo atual, antes que seus poços sequem. A cidade de dois milhões de habitantes continua a crescer e as pessoas são forçadas a procurar outras áreas para habitar por causa da escassez de água.

No Iêmen, que está lutando contra três insurreições, as linhas de batalha das guerras tribais, tradicionalmente, seguem as linhas dos barrancos e vales do deserto em que os rios tornam-se caudalosos quando as raras chuvas caem. Em meio a uma das maiores taxas mundiais de crescimento da população – 3,46 por cento em 2008 – a escassez de água tornou-se crítica e está originando distúrbios civis. Água disponível por pessoa no Iêmen é de 100 a 200 metros cúbicos por pessoa por ano, muito abaixo da linha internacional de pobreza de água de 1.000 metros cúbicos.

Reservas de água subterrâneas estão sendo usadas mais rapidamente do que elas podem se reconstituir, especialmente na bacia de Sanaa, onde a água era encontrada a 20 metros abaixo da superfície e agora passou para 200 metros de profundidade* (*ver atualização abaixo), apesar dos reservatórios de água da chuva construídos sobre os telhados da maioria das casas.

No desespero, algumas pessoas têm escavado poços sem licença, agravando o problema. No distrito montanhoso Malhan, no norte, mulheres e crianças escalam uma montanha de 1.500 m para coletar a água de uma nascente, muitas vezes de madrugada para evitar longas filas.

O Governo está considerando a construção de uma planta de dessalinização da água do mar, mas esta é uma solução cara e pode vir tarde demais. A única outra opção seria reduzir a indústria agrícola, o que acarretaria em uma maior importação de alimentos… desastroso de toda a forma.

Muitas reuniões sobre o clima, muitos acordos feitos e desfeitos, mas é frente à um problema desses em que vemos a ineficiência de tudo isso. De que adianta conferências intermináveis sobre o tema se nenhum órgão se mobiliza numa ação eficaz, verdadeira, para combater uma catástrofe desse tipo que bate à nossa porta? Muito dinheiro gasto em demagogia que se redirecionado poderia salvar vidas.

* Publicamos este artigo em 2009, estamos em 2011 e a bacia de água Sana continua a se esgotar, as pessoas ainda estão escavando mais e mais fundo para encontrar a água de que necessitam. A população hoje tem que escavar pelo menos 500 metros para encontrar água (Fonte: CNN). Logo a profundidade será ainda maior. E um dia eles vão cavar e não encontrar água.

Outro agravante é a sistemática substituição das vinhas por uma planta chamada Qat, ela é um narcótico leve, é mastigado diariamente em quase todas as partes do país e é uma parte integrante da cultura do Iêmen. Porém ela necessita cinco vezes mais água para ser cultivada do que as uvas que eram anteriormente plantadas no mesmo lugar.

Alguns, sabendo que a água se tornou escassa, dizem não poder depender do governo para ajudar e que então vão fazer a única coisa que podem: continuar a rezar por chuva.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: