GLP: Utilização de gás em botijões exige fiscalização rigorosa na instalação e manutenção

A utilização do gás liquefeito de petróleo (GLP), armazenado em botijões, exige fiscalização rigorosa no momento da instalação dos equipamentos e manutenção cuidadosa de todos os seus componentes. A afirmação é do pesquisador do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Moacyr Duarte, especialista em gerenciamento de riscos, planejamento de emergências e catástrofes tecnológicas.

Segundo ele, os estragos causados por uma explosão com esse tipo de gás alcançam grandes proporções pela sua característica de acúmulo em um ambiente. Duarte lembrou que o GLP é amplamente utilizado no país.

Na manhã de hoje (13), um acidente, possivelmente em função do vazamento de GLP em um restaurante no centro do Rio de Janeiro, provocou a morte de três pessoas e deixou 13 feridas.

“O GLP é um gás muito pesado. Quando vaza, ele tem maior facilidade de se acumular em um ambiente. Diferentemente do que ocorre com o gás natural, que tem uma capacidade maior de dispersão e busca seus meios de saída, o GLP fica preservado como em uma piscina. Para se ter uma ideia, quando há vazamento em uma cozinha, a maior parte do gás fica acumulado a uma altura de até 1,50 metro do chão. Quando há explosão é de maior porte”, explicou.

O especialista alertou que para evitar vazamentos de gás de botijão é preciso seguir criteriosamente alguns passos. Inicialmente, deve-se ter atenção aos prazos de validade dos componentes de instalação, como mangueira, juntas metálicas, reguladores de pressão, e substitui-los sempre que necessário; além disso, todas as peças devem ter certificação do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). Para Moacyr Duarte, a escolha do profissional que fará a instalação do botijão também precisa ser cuidadosa e o ideal é procurar indicação na distribuidora de gás. Ele ressaltou que, após a instalação, o consumidor pode fazer um teste prático para verificar se há vazamento.“Após cada troca, deve-se pegar uma esponja, molhá-la com detergente e produzir uma espuma. Essa espuma deve ser colocada nos locais de passagem do gás para ver se está borbulhando. Caso esteja, é preciso apertar um pouco mais os equipamentos. Se persistir, o consumidor deve chamar um técnico e efetuar a troca porque há algum defeito”, orientou.

O pesquisador afirmou acreditar na hipótese de explosão durante o acidente desta manhã, embora não tenha vistoriado as instalações da lanchonete. Segundo ele, os estragos causados são compatíveis com esse tipo de vazamento.“Não vi as instalações, mas parece mesmo explosão de GLP, pelo padrão dos estragos, com grande deformação embaixo e nos andares de cima. O gás deve ter ficado acumulado dentro do estabelecimento e a ação dos funcionários, nos procedimentos iniciais da manhã, proporcionou a fonte de ignição”, avaliou.

Fonte: Agência Brasil

 

Em caso de suspeita de vazamento.

Ao sentir cheiro de gás, tome as seguintes precauções:

– Não acenda luzes, não risque fósforos e não ligue ventiladores;

– Ventile o ambiente, abrindo portas e janelas;

– Verifique se os registros de gás dos equipamentos estão fechados;

– Verifique se o cheiro existe só no interior ou se vem do exterior do seu imóvel.

Como evitar acidentes:

Para verificar vazamentos, não utilize fósforos ou velas, use espuma de sabão;

Não instale equipamentos a gás em locais sem ventilação permanente;

Instale corretamente as chaminés nos equipamentos de aquecimento;

Sempre que ausentar-se do imóvel por períodos extensos, feche as válvulas de segurança instaladas na tubulação de gás;

Não permita que pessoas sem conhecimento técnico realizem qualquer tipo de serviço nos equipamentos e instalações de gás.

Anúncios

2 Respostas to “GLP: Utilização de gás em botijões exige fiscalização rigorosa na instalação e manutenção”

  1. Nelson Siqueira Jr Says:

    o glp pode ser utilizado na indústria como combustível de caldeira ou tem restrições/proibições?

    Curtir

    • eco4u Says:

      Prezado Nelson,
      O glp é utilizado por várias indústrias, seja como backup de fonte de energia, seja como geração primária de caldeiras, estas específicas para alimentação por glp. A norma brasileira para sistemas de combustão praticada atualmente para a área industrial é a NBR-12313. Como todos os equipamentos de segurança, os sistemas de combustão de gás e seus controles requerem manutenção periódica e verificação para garantir que operem permanentemente de forma segura e eficiente.
      Abraço,
      Eco4u

      Curtir


Deixe uma resposta - Lembramos que não serão permitidos comentários com conteúdo ofensivo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: