Programa Antitabagismo da Unesp foi destaque no Congresso Europeu de Pneumologia, na Holanda

O alto índice de sucesso alcançado pelo Programa Antitabagismo da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Presidente Prudente foi destaque na última edição do Congresso Europeu de Pneumologia, realizado na Holanda.

Como outras iniciativas do gênero, o programa coordenado pelas professoras Ercy Ramos e Dionei Ramos, do Departamento de Fisioterapia da Faculdade de Ciências e Tecnologia, alia terapia de grupo, medicamentos e acompanhamento multidisciplinar.

Após 13 meses de tratamento, 35% dos fumantes inscritos conseguiram permanecer longe do cigarro. A média de programas semelhantes, segundo a literatura científica, é de 27%. No caso de pacientes que fazem apenas tratamento com remédios, de 6% a 12% conseguem abandonar o vício. Entre aqueles que tentam parar sozinhos, o índice de sucesso é de 2%.

“Acredito que nossos resultados são melhores porque passamos mais tempo com o fumante no início do processo, que é quando ele mais precisa de apoio”, disse Ercy.

Nos primeiros dois meses, explicou, o fumante participa de dois encontros semanais, com uma hora de duração cada. “Nos outros programas, as sessões costumam ocorrer apenas uma vez por semana”, contou.

Essas reuniões são uma espécie de terapia de grupo, em que os fumantes falam sobre suas dificuldades e os psicólogos e demais profissionais dão dicas para driblar a vontade de fumar. “A dependência química pode ser resolvida com terapia de reposição nicotínica, mas o fator psicoemocional é muito difícil de vencer”, disse.

Antes de começar o programa, os pacientes passam por avaliações físicas e psicológicas. “Fisioterapeutas fazem testes para avaliar as condições do sistema respiratório, capacidade física, nível de ansiedade, depressão e qualidade de vida. Com isso, calculam o grau de motivação para largar o cigarro. Isso nos permite identificar quem necessita de abordagem diferenciada”, explicou Ercy.

O sexto encontro, na terceira semana, é a data estipulada para o abandono do cigarro. “Os dias seguintes são os mais difíceis por causa da síndrome de abstinência. Quanto mais próximos estivermos, melhor”, afirmou. No terceiro mês, as reuniões passam a ocorrer a cada 15 dias e, a partir do quinto mês, tornam-se mensais.

O Programa Antitabagismo da Unesp existe desde 2002 e atende gratuitamente pessoas com mais de 18 anos. A participação nas pesquisas é voluntária. Mais informações pelos telefones (18) 3229-5821 e (18) 3229-5800.

Fonte: Agência FAPESP
 

Leia mais sobre tabagismo aqui no blog, nos links:

Ecologia e fumantes, tal qual na física: dois “corpos” não ocupam o mesmo espaço

Dia nacional de combate ao fumo: Exposição “Como a Indústria do Fumo Enganou as Pessoas” 

Anúncios

Deixe uma resposta - Lembramos que não serão permitidos comentários com conteúdo ofensivo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: