Bronzeado organico: substancia natural do Cerrado e Caatinga para fabricacao de protetor solar, pesquisa USP

protetor solarUm fotoprotetor inédito, que oferece mais proteção solar, tem ação antioxidante e apresenta a substância natural rutina em sua formação é pesquisado por professores da Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF) da USP. A rutina é encontrada em árvores de pequeno e médio porte nas regiões brasileiras do cerrado e da caatinga. A substância também está presente na cebola, na uva e no vinho tinto.

O estudo com o fotoprotetor começou em janeiro de 2008, após a conclusão do doutorado do professor André Baby, do Laboratório de Cosmetologia do Departamento de Farmácia da FCF, orientado pela professora Maria Valéria Robles Velasco, do mesmo laboratório. No doutorado, o estudo avaliou a permeabilidade cutânea (na pele) da rutina em emulsões cosméticas.

“A rutina é um flavonóide, tradicionalmente utilizado como antioxidante e vasoprotetor, que eleva o tônus venoso e reduz a hipermeabilidade capilar e a formação de edemas”, diz o professor. “Também atua na prevenção dos danos causados pela radiação ultravioleta.”

Os resultados do doutorado indicam que o flavonóide teve a tendência de não penetrar o estrato córneo da epiderme, mantendo-se na superfície da pele. Isto levou os pesquisadores a usar a rutina como adjuvante dos sistemas de protetores solares, pois apresenta estrutura química semelhante à dos filtros do mercado, e tende a não ser absorvido pela pele.

Natural
De acordo com o professor Baby, as propriedades da rutina identificadas em laboratório contribuíram fortemente para sua aplicação em protetores solares denominados protetores fotoativos. “Eles apresentarem vantagens significativas no desempenho do produto com a incorporação da substância de origem natural”, destaca.

Para a professora Maria Valéria, as pesquisas que envolvem o desenvolvimento e a análise dos fotoprotetores bioativos estão em harmonia com a tendência mundial da utilização de substâncias de origem natural em produtos cosméticos. “Ao mesmo tempo, funcionam como estratégia para elevação ou manutenção da eficácia fotoprotetora, mesmo com a redução da proteção dos filtros solares convencionais”, aponta.

A etapa atual da pesquisa está sendo direcionada para a associação do flavonóide com os filtros solares tradicionais como o p-metoxicinamato de metila, a benzofenona-3, o octocrileno e avobenzona, entre outros, segundo o professor Baby. Os estudos tem sido reconhecidos pelas agências de fomento, como a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), a Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), com financiamentos para o projeto e a concessão de bolsas de estudo.

Os principais resultados do trabalho foram obtidos por ensaios in vitro, realizados em laboratório. Entre os diversos desdobramentos, a determinação da eficácia em seres humanos é o próximo passo da pesquisa.

Fonte: Agência USP de Notícias

Anúncios

Deixe uma resposta - Lembramos que não serão permitidos comentários com conteúdo ofensivo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: