Com lacres de latinhas de aluminio, cooperativa produz e exporta moda para diversos paises

reciclagem1Nascida em Novo Oriente, no Ceará, a artesã Francisca Rosa Macedo chegou a Brasília em 1982. Anos mais tarde, ao ver uma criança se machucando com um lacre de latinha de alumínio, Chica Rosa, como ficou conhecida, teve a ideia de utilizar a peça, geralmente descartada, para criar acessórios femininos. Assim, em 1997, nascia a Cia do Lacre, associação brasiliense que se transformou em cooperativa e, hoje, produz bolsas, cintos, broches, colares, chapéus, vestidos e tops, tudo com muito lacre, linha e criatividade.

São duas mil peças com bastante cor e brilho produzidas mensalmente por 32 artesãs, todas vendidas ao mercado externo. “Vendemos para os Estados Unidos e Alemanha”, conta Maria de Jesus Pereira da Silva, atual presidente da cooperativa. “Este mês recebemos um pedido de quatro mil peças, mas não conseguimos entregar. Vamos mandar duas mil agora e o restante no próximo mês”.

Silva conta que as exportações começaram em 2005, com o auxílio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). Hoje, as vendas ao exterior são feitas diretamente com as cooperadas.

Para criar as peças, as artesãs recolhem os lacres de três casas de reciclagem na capital federal. “Cada artesã usa, em média, 50 quilos de lacres por mês, ou mais”, afirma Silva. As peças produzidas são vendidas por valores que vão de R$ 20 a R$ 400. No exterior, uma bolsa da Cia do Lacre chega a ser revendida por até US$ 750.

reciclagem2A cooperativa já participou de desfiles em Brasília e também em Lisboa, em Portugal. “Foi durante o Rock in Rio [em Lisboa]. Fizemos peças para o desfile e também para venda”, conta a presidente sobre o evento na capital portuguesa, em 2008. O primeiro desfile da marca, em 2004, no Brasília Fashion Festival, contou com a participação do estilista Ronaldo Fraga. “Ele fez a criação das peças. Ficava diariamente com a gente e se a peça não ficava boa, ele mandava desmanchar”, revela a artesã.

Segundo Silva, as cooperadas pensaram em participar de feiras no exterior, mas a ideia não foi em frente devido aos altos custos, mesmo assim a empresa recebeu contato de mais clientes interessados nas peças. “Já tivemos um contato da Itália”, conta.

O faturamento da Cia do Lacre gira em torno de R$ 40 mil por mês e cada cooperada recebe, em média, um salário mínimo. Quem estiver em Brasília e quiser conhecer o trabalho e também comprar as peças da Cia do Lacre pode fazer uma visita à sede da cooperativa, que fica aberta ao público.

Fonte: ANBA

Anúncios

3 Respostas to “Com lacres de latinhas de aluminio, cooperativa produz e exporta moda para diversos paises”

  1. Dayane Adanski Spadotim Says:

    Eu tenho umas 5 garrafas de 2 litros cheias de lacres de latinhas e não sei como vender. Gostaria muito de poder saber aonde vender esses lacrinhos.

    Curtir

  2. Com lacres de latinhas, cooperativa produz e exporta moda « Claire S Freeman Says:

    […] Com lacres de latinhas de aluminio, cooperativa produz e exporta moda para diversos paises. Compartilhe: […]

    Curtir


Deixe uma resposta - Lembramos que não serão permitidos comentários com conteúdo ofensivo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: