UNICEF: Uma em cada quatro crianças viverá em áreas com pouca água até 2040

As crianças mais pobres serão as mais afetadas, uma vez que as mudanças climáticas agravam a crise de água em curso, alertou o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) no Dia Mundial da Água, marcada nessa quarta-feira (22/03).

UN032913Vanessa Nhleya, de 17 anos, é a chefe de sua família. Aqui, em meio à seca, ela busca água na vila de Siyephi, no distrito de Bullilima Distrito, no sul da príncia de Matebeland, no Zimbábue (foto de 2016). Foto: UNICEF Zimbábue/Mukwazhi

Cerca de 600 milhões de crianças – ou uma em cada quatro crianças em todo o mundo – viverão em áreas com recursos hídricos extremamente limitados até 2040, de acordo com um relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) divulgado neste Dia Mundial da Água (22).

O relatório, intitulado “Sedentas por um futuro: Água e crianças em um clima em mudança”, analisa as ameaças à vida e ao bem-estar das crianças causadas por fontes exauridas de água potável e as formas pelas quais a mudança climática intensificará esses riscos nos próximos anos.

“A água é elementar. Sem ela, nada pode crescer. Mas, em todo o mundo, milhões de crianças não têm acesso à água potável – pondo em risco a vida delas, minando sua saúde e prejudicando seu futuro. Essa crise será cada vez maior se não tomarmos, imediatamente, uma ação coletiva”, disse o diretor-executivo do UNICEF, Anthony Lake.

De acordo com o relatório, 36 países enfrentam atualmente níveis extremamente altos de estresse hídrico, que ocorre quando a demanda por água excede em muito a oferta renovável disponível. Temperaturas mais quentes, aumento do nível do mar, aumento das inundações, secas e derretimento de geleiras afetam a qualidade e a disponibilidade de água, bem como os sistemas de saneamento.

O crescimento populacional, o aumento do consumo de água e a maior demanda de água, em grande parte devido à industrialização e à urbanização, estão drenando os recursos hídricos em todo o mundo. Conflitos em muitas partes do mundo também ameaçam o acesso das crianças a água potável.

Todos esses fatores forçam as crianças a usar água insalubre, o que as expõe a doenças potencialmente mortais, como cólera e diarreia. Muitos meninos e meninas em áreas afetadas pela seca gastam horas, todos os dias, coletando água, perdendo a oportunidade de ir à escola. As meninas são especialmente vulneráveis a ataques durante esses momentos.

As crianças mais pobres e mais vulneráveis serão mais afetadas pelo aumento do estresse hídrico, diz o relatório, já que milhões desses meninos e meninas já vivem em áreas com baixo acesso a água potável e saneamento.

Mulheres e meninas gastam 200 milhões de horas coletando água diariamente

Segundo o documento, até 663 milhões de pessoas em todo o mundo não têm acesso a fontes adequadas de água e 946 milhões de pessoas praticam a defecação ao ar livre. Mais de 800 crianças com menos de 5 anos morrem todos os dias em decorrência da diarreia associada à falta de água, saneamento e higiene.

O UNICEF alertou ainda que, globalmente, as mulheres e as meninas gastam 200 milhões de horas coletando água todos os dias. O impacto das mudanças climáticas sobre as fontes de água não é inevitável, disse a agência da ONU.

O relatório termina com uma série de recomendações que podem ajudar a conter o impacto das mudanças climáticas sobre a vida das crianças.

Tais medidas incluem o planejamento, por parte dos governos, de mudanças na disponibilidade e demanda de água nos próximos anos. Acima de tudo, isso significa priorizar o acesso das crianças mais vulneráveis a água potável acima de outras necessidades de água para maximizar os resultados sociais e de saúde.

Além disso, os riscos climáticos devem ser integrados em todas as políticas e serviços relacionados a água e saneamento, e os investimentos devem visar às populações de alto risco. As empresas precisam trabalhar, ainda de acordo com o UNICEF, com as comunidades para evitar a contaminação e o esgotamento de fontes de água potável.

As próprias comunidades devem explorar formas de diversificar as fontes de água e aumentar sua capacidade de armazenar água com segurança.

“Em um clima em mudança, devemos mudar a maneira como trabalhamos para alcançar aqueles que são mais vulneráveis. Uma das formas mais efetivas de fazer isso é proteger seu acesso a água potável”, disse Lake. Acesse o documento clicando aqui.

Fonte: nacoesunidas.org

UNICEF e Brasil lancam pesquisa para avaliar acoes de resposta a desastres naturais

desastres naturaisFoi lançada a pesquisa Desastres e Infância, pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), em parceria com a Secretaria de Direitos Humanos (SDH), a Secretaria Nacional de Defesa Civil, a Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará, o Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres da Universidade Federal de Santa Catarina.

O objetivo do estudo é fazer um diagnóstico das ações realizadas por Estados e municípios durante situações de desastres naturais e emergências. A pesquisa pretende também conhecer as condições de atendimento às crianças e aos adolescentes nessas situações. Para isso, conta com a participação de todas as coordenações de Defesa Civil dos Estados, do Distrito Federal e dos municípios, que são estimulados a preencher um formulário online. O site da pesquisa é dividido em quatro partes (descrição do projeto, parceiros, contato e questionários). São dois questionários que precisam ser preenchidos: um para as defesas civis dos Estados e o outro para as dos municípios.

Os resultados vão ser usados para a elaboração de propostas de redução de risco de desastres em parcerias com as escolas e programas sociais do governo. O levantamento será feito por meio de questionários que estarão no site até 7 de dezembro.

O representante do UNICEF no Brasil, Gary Stahl, agradeceu aos parceiros e disse que o Brasil pode contar com o apoio do UNICEF para que as crianças brasileiras não sofram em situações de emergência. O secretário nacional de Defesa Civil do Ministério da Integração, coronel Humberto Vianna, agradeceu ao UNICEF pela iniciativa, dando destaque para o pioneirismo brasileiro nessa ação. “A experiência do UNICEF no tratamento de crianças em situação de risco é fundamental para a realização de um trabalho seguro. Todos os brasileiros vão ganhar com isso”, disse.

Fonte: onu.gov.br

Pedalada do Bem ira divulgar projetos do UNICEF no dia das criancas, participe

ciclistaA P&G Brasil e o Carrefour se unem para mobilizar a população de São Paulo em prol das ações desenvolvidas pelo UNICEF no Brasil, que têm como meta garantir e promover os direitos de crianças e adolescentes em todo o mundo. Em uma promoção inédita, as duas empresas reunirão milhares de pessoas no evento “Pedalada do Bem”, que será realizado no próximo domingo, dia 14 de outubro, no Parque Villa-Lobos, em São Paulo, em comemoração ao Dia das Crianças.

Em 2013, P&G e Carrefour planejam levar a “Pedalada do Bem” para outras cidades do Brasil, divulgando os projetos do UNICEF e promovendo a integração das famílias.

Para atrair a atenção dos consumidores, a ação – que já começou em 31 hipermercados Carrefour, localizados em São Paulo, Alphaville, Santo André, São Bernardo e São Caetano – visa reverter as compras de produtos P&G em convites para participar do passeio ciclístico, além de brindes com tema da campanha solidária.

Nas compras a partir de R$ 30,00 de produtos P&G, os clientes ganharão uma mochila exclusiva da promoção “Pedalada do Bem” recheada de produtos das marcas Pantene e Head & Shoulders. As credenciais de inscrição para o passeio ciclístico serão distribuídas gratuitamente aos três mil primeiros clientes participantes da ação. Para o evento, estão programadas diversas atrações de entretenimento para as famílias, como brinquedotecas, espaço UNICEF, quiosques de água e frutas com Garantia de Origem Carrefour, além de um grande sortimento de bicicletas e acessórios à disposição na loja. Ao final do passeio, os participantes ganharão medalhas e vales-compras do Carrefour.

A campanha solidária não para por aí. As 31 lojas do Carrefour participantes da ação já contam com a presença de promotoras para divulgar para os clientes os projetos do UNICEF no Brasil, além de orientá-los sobre como podem contribuir diretamente com o trabalho da organização e, assim, garantir os direitos da infância e da adolescência no Brasil e no mundo. A cada doação, o consumidor ganhará um adesivo que mostra seu apoio a essa causa.

Para o Carrefour, essa é uma oportunidade de estimular o grande número clientes de suas lojas a contribuir com uma causa que busca tornar a sociedade mais justa, por meio da promoção da cidadania de crianças e adolescentes. Além disso, a rede acredita no potencial da bicicleta como um transporte saudável e sustentável.

br_pedaladadobem“A P&G quer, cada vez mais, estar ao lado de seus parceiros para comunicar e apoiar ações como as que são realizadas pelo UNICEF, que tem como prioridade a infância e a adolescência no Brasil,” comemora Gabriela Onofre, diretora de Comunicação da P&G Brasil.

Serviço
O quê: Passeio ciclístico “Pedalada do Bem”
Quando: Domingo 14 de outubro de 2012, a partir das 7h
Onde: Carrefour Villa Lobos da Marginal Pinheiros, São Paulo (SP).

Mais informações nos 31 hipermercados Carrefour, localizados em São Paulo, Alphaville, Santo André, São Bernardo e São Caetano

Fonte: unicef.org/brazil

Brasil vai repassar US$ 1,2 mi para Unicef para uso em projetos humanitarios em diversos paises

unicefO governo brasileiro anunciou neste 17/06 a doação de US$ 1,2 milhão ao Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

O dinheiro será utilizado em projetos humanitários em Angola, Armênia, Azerbaijão, Cazaquistão, El Salvador, Haiti, Mali, Mauritânia, Níger, Ruanda e Somália, e em ações de redução de riscos de desastres na América Latina e Caribe.

Segundo o Itamaraty, cada iniciativa vai receber US$ 100 mil. Os recursos serão aplicados pela agência da ONU em parceria com organizações não governamentais (ONGs).

Fonte: ANBA

Unicef distribui caixa com coquetel para frear transmissão do HIV para bebês

Não é um grande avanço médico, apenas uma simples caixa colorida cheia de medicamentos contra o HIV, mas o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) espera que possa ajudar a finalmente interromper a transmissão do fatal vírus para os bebês.

O pacote mãe-bebê, chamado de “inovação para uma geração livre do HIV”, será distribuído a 30 mil mulheres grávidas no Quênia, Camarões, Lesoto e Zâmbia a partir deste mês.

Ele contém todos os remédios e instruções necessários para proteger uma mãe infectada com o HIV e seu recém-nascido, mesmo se ela nunca visitar uma clínica novamente depois do nascimento, e até mesmo se não souber ler corretamente.

Leia mais:

Caixa com coquetel busca frear transmissão do HIV para bebês – vida – Estadao.com.br.

%d blogueiros gostam disto: