Céu estrelado? Não, lixo espacial! Toneladas de lixo orbitando sobre nós a 30 mil Km/h

Um objeto aparece em vídeo flutuando lentamente em direção ao espaço sideral durante caminhada espacial  dos cosmonautas russos Dmitry Kondratyev e Oleg Skripochka, em 16/02/2011, para instalar novos sensores de terremotos e relâmpagos na Estação Espacial Internacional. E já não é a primeira vez…

O vídeo pode ser visto na página da BBC: “Cosmonautas perdem ferramenta no espaço”

Meus amigos, cuidado com suas cabeças: manchas de óleo, parafusos, pedaços de metal e até mesmo uma sacola inteirinha cheia de ferramentas fazem parte de um inventário de 400.000 artefatos, o famigerado lixo espacial, orbitando a Terra. Uma nuvem de metal e detritos que vêm aumentando ano após ano. E o que isso tem a ver com ecologia? Tudo!

A hipótese (Síndrome de Kessler) apresentada por um físico da Nasa, sustenta que haverá um momento em que o espaço terá tantos detritos que será impossível utilizá-lo para as necessidades da humanidade. Isso porque, quando dois objetos se chocam, eles geram mais fragmentos, multiplicando assim o número de elementos em órbita. E os satélites que atualmente estão em órbita, por exemplo, são responsáveis por transmitir dados, sinais de televisão, rádio e telefone, sem contar os equipamentos que observam a Terra, fornecem informações sobre mudanças climáticas, podem antecipar fenômenos naturais e fazer o mapeamento de áreas.

E qual a realidade lá em cima? Os astronautas, satélites e a própria estação espacial enfrentam problemas em antever um impacto: Devido à velocidade muito grande em que viaja o lixo espacial, pequenas peças entre 1 e 10 centímetros de tamanho podem penetrar e danificar maioria das naves espaciais. Mas não é só isso, um pedaço de metal de 10cm pode causar tanto dano como vinte e cinco bananas de dinamite! Claro, afinal esse lixo todo circula nosso planeta em velocidades que podem ultrapassar 30.000Km/h !!!

A imagem à esquerda mostra que o risco de dano é real. Esse buraco de 1 cm de diâmetro é o resultado de um detrito que penetrou a antena parabólica do Hubble. Mais? As janelas do ônibus espacial foram substituídas 80 vezes devido aos impactos com objetos de menos de 1 mm.

Durante sua primeira década em órbita, por exemplo, mais de 200 objetos se afastaram da estação espacial Mir, a maioria deles envolta em sacos de lixo. Mas a maior fonte de material significativo são aproximadamente 150 satélites, que foram destruídos ou se desmantelaram, deliberadamente ou acidentalmente. Eles deixaram um rastro de 7.000 fragmentos suficientemente grandes (acima de 10 centímetros), a serem monitorados a partir da Terra.

Por estas razões a NASA (em conjunto com o Departamento de Defesa dos EUA) criou uma rede de vigilância do espaço (menos mal…). Estações de solo monitoram grandes pedaços de lixo espacial para que as colisões com os satélites ou com o ônibus espacial possam ser evitadas. Os planos futuros incluem um esforço de cooperação entre os governos de muitos países para parar de jogar lixo espacial e possivelmente para limpar o lixo já está lá.

E o Brasil tem sua parte de culpa: temos dois satélites de coleta de dados e mais três satélites em conjunto com a China e nenhum desses cinco dispõe de um sistema para que seja feita sua remoção em órbita…

Vejam então as idéias, mirabolantes ou não, para remoção do lixo espacial:

1. Aerogel: Utilizado pela NASA para coletar poeira espacial, a idéia é colocar em órbita painéis cobertos com este material onde pequenos pedaços de resíduos espaciais ficariam presos como insetos em um pára-brisa.

2. Lasers: Instalar canhões de laser em alguns pontos estratégicos e disparar contra o lixo, para desviar sua órbita para mais perto do planeta. Com isso, o lixo queimaria até desaparecer.

3. Braço: Uma espécie de nave não-tripulada, guiada por radares e câmeras, seria equipada com braços robóticos para coletar os detritos.

4. Redes: Sistema de redes gigantes, que formaria um cesto capaz de capturar os detritos e jogá-los mais para baixo.

5. Espuma: Um painel de espuma seria colocado na rota dos detritos. Assim que os objetos passassem por ele, teriam sua velocidade reduzida, caindo de volta no planeta.

6. Fios: Cabos condutores de cobre poderiam ser acoplados a satélites desativados para que eles pudessem ser atraídos pelo campo magnético da Terra.

A Terra é rodeada por pedaços de destroços orbitais que, segundo Nicholas Johnson (Scientific American, 1998), “lembram abelhas furiosas em torno de uma colméia, parecendo mover-se aleatoriamente em todas as direções.” Olhe para os os números acima, e você quase pode ouvir o zumbido!

Parece que um novo tipo de emprego deverá ser criado com urgência: Lixeiro Espacial ! E deve ser rentável, considerando que as toneladas de metal sobre nossas cabeças são recicláveis: só nossas cabeças que não. Que tal começarem logo essa limpeza?

Fonte:

http://www.bbc.co.uk/portuguese/multimedia/2011/02/110217_videoferramentanasaebc.shtml
http://www.kenlarson.net/code/scienc01.htm
http://www.wired.com/wired/archive/15.05/st_houston.html
http://starchild.gsfc.nasa.gov/docs/StarChild/questions/question22.html
http://www.anthonares.net/index.php?tag=Space-Junk
http://www.treehugger.com/files/2008/04/shocking-space-debris-images.php

5 Respostas to “Céu estrelado? Não, lixo espacial! Toneladas de lixo orbitando sobre nós a 30 mil Km/h”

  1. Nível de lixo espacial na órbita da Terra chegou ao limite, diz estudo « Eco4u Says:

    […] muito mais sobre lixo espacial aqui no blog: Cosmonautas perdem ferramenta: Céu estrelado? Não, lixo espacial! Toneladas de lixo orbitando sobr… Rate this: Compartilhe:ShareEmailDiggPrintLike this:LikeBe the first to like this post. Publicado […]

  2. Cientistas propõem faxina espacial com satélite “gari” « Eco4u Says:

    […] Já faz muito tempo que o problema do lixo orbital é conhecido e já fazem anos que ele é considerado grave. Aqui no blog fizemos tempos atrás uma matéria sobre isso e pode ser conferida aqui: Cosmonautas perdem ferramenta: Céu estrelado? Não, lixo espacial! Toneladas de lixo orbitando sobr… […]

  3. Lixo espacial vai passar a 18 km da ISS. NASA monitora 500 mil pedaços de metal em órbita « Eco4u Says:

    […] Saiba muito mais sobre essa gigantesca nuvem de metais flutuando sobre nossas cabeças no artigo “Cosmonautas perdem ferramenta: Céu estrelado? Não, lixo espacial! Toneladas de lixo orbitan… […]

  4. Gustavo Ibraim Ceron Says:

    Logo agora, que começamos a poluir o planeta com Depleted Uranium – DU 238 (poluidor definitivo “made in US Army”)- será que alguém vai perder tempo despoluindo o espaço ao redor da terra?

  5. ISS evacuada por ameaça de lixo espacial – saiba mais sobre todo esse lixo « Eco4u Says:

    […] Saiba mais nesse artigo:  Céu estrelado? Não, lixo espacial! Toneladas de lixo orbitando sobre nós a 30 mil Km/h […]


Deixe uma resposta - Lembramos que não serão permitidos comentários com conteúdo ofensivo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: